segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Hola MEDELLÍN, muito PRAZER em te CONHECER - Colômbia, uma VIAGEM por ANTIOQUIA e Bogotá:


O voo de Bogotá até o aeroporto José Maria Códova, na cidade de Rionegro, onde pousamos (oriente de Medellín), levou mais ou menos meia hora, onde um amigo já nos esperava. Levamos cerca de 45 minutos até chegarmos em Medellín (no site do aeroporto há diversas informações sobre como chegar e sair). 

A estrada é ótima, sem nenhum buraco no asfalto, embora bastante sinuosa, com transito razoável nos dois sentidos, muita área verde, com construções de empreendimentos caros e sofisticados por todo lado, contrastando com pequenas fincas, serralherias e casinhas mais simples e rústicas.

Conhecida como a capital da montanha, Medellín, assim com as cidades que formam a área metropolitana, são cercadas por altas montanhas. É uma paisagem exuberante e muito interessante. 

Nos ambientando

Amigos gentis nos hospedaram
Ficamos hospedados em casa de amigos, na região conhecida como El Poblado, no alto de uma montanha, cercada de muito verde, com vegetação nativa, onde foi possível ouvir o estranho barulho da natureza: ruídos e canções. Almoçamos e nos sentamos ao ar livre para sentir o vento e apreciar a vista estonteante. 

Fomos muito bem recebidos por nossos anfitriões provando mais uma vez a gentil hospitalidade do colombiano, especialmente do povo paisa. Aí mesmo, na varanda, fomos agraciados com um delicioso tinto, como eles chamam o café feito com o grão moido, servido em caneca grande. Não é tão forte quanto eu gosto, mas é muito, muito saboroso. Eu tenho um caso de amor profundo com o café deste país.

Em seguida, chegaram as nossas guias: P e G. Elas são amigas de nossos amigos, que pediram que elas nos dessem um suporte durante nossos dias na cidade e elas nos proporcionaram dias esplêndidos nesta terra de gente boa. Hoje posso afirmar que são pessoas muito queridas.

vista de Medellín

Medellín
Neste primeiro dia, por conta do tempo curto, elas nos levaram para dar uma volta e nos apresentar Medellín. A primeira parada foi no Parque Comercial El Tesoro, que é um shopping, de uma maneira geral igual a todos os outros que já visitei ao redor do mundo, mas este tem uma particularidade que faz parte da alma e da identidade desta cidade: é arborizado.

Saindo de lá, nós percorremos diversos bairros da cidade e um aspecto nos chamou a atenção: a diferença entre os bairros é clara. Cada vez que mudávamos de região, o estilo das construções e até das pessoas que circulavam, mudava.

Passamos por bairros como Eduardo e Laureles, um dos bairros mais antigos e tradicionais de Medellín, além de El Poblado, onde estávamos, com construções novas e verticais. Cruzamos a ponte que liga a zona suroriente (oriente da cidade) com o suroccidente (ocidente da cidade). As ruas que vão de norte a sul são chamadas de carreteras e as que vão do ocidente ao oriente são chamadas calles.

Medellín é um grande vale. Com o crescimento da população, a cidade foi invadindo as montanhas, que hoje estão bastante ocupadas, e continua crescendo morro acima. Apesar de similaridades com a geografia do Rio de Janeiro e Santigo do Chile, Medellín tem tanta personalidade que no final das contas não se parece com nenhuma das duas.

Nossas guias nos explicaram que a cidade é extratificada, ou seja, dividida conforme as classes socais, de 1 a 6. Nos extratos de 1 a 3, parte dos serviços essenciais são subsidiados pelo governo, com os impostos pagos pelos extratos 5 e 6. Outra parte eles pagam e a maioria da população, aparentemente, julga este sistema justo. O 4, considerado classe média, não recebe subsídios, mas paga impostos mais baixos.

O orgulho paisa é visível, perceptível, palpável. Ser paisa é fazer parte de uma cultura, na qual o departamento de Antioquia, Caldas, Quindio e Risaralda fazem parte. Em Medellín, eles consideram que a cidade é de todos e sendo assim, a responsabilidade de cuidar é de todos os cidadãos que são os embaixadores da cidade. Confesso que isso me impressionou e me marcou muito.

Apesar de ter um sistema de transporte público muito eficiente, o trânsito em horário de pico e em determinadas ruas a qualquer hora é caótico, como na maioria das grandes cidades. Vi, nas sinaleiras, pessoas vendendo coisas e malabaristas, como acontece em muitas cidades no Brasil.

Crepes & Waffles

Mini waffles de Nutella

Crepe mexicano

Crepes & Waffles

Voltando para o carro caminhando com nossas guias

Voltando para o pegar o carro
Estacionamos o carro no bairro de Nutibara e fomos caminhando até a Crepes & Waffles, franquia internacional, com unidades inclusive no Brasil, que tem uma proposta muito bacana de empregar mulheres que são chefes de família.

Eu tomei um suco de uma fruta chamada feijoa, super azedinho e delicioso e comi um crepe mexicano maravilhoso. Nossas amigas pediram mini-waffles de Nutella e disseram que estava divino. 

O lugar é bacana, com um varadão e estava cheio. Na saída, voltando para pegar o carro, vimos um senhor abaixado no chão, procurando algo e algumas pessoas ao redor. P e G pararam para saber o que havia acontecido e se podiam ajudar. O senhor havia perdido um dente e estava procurando. Imediatamente elas começaram a ajudar, mas estava escuro e foi impossível achar. As pessoas chegavam, ajudavam por uns minutos, pediam desculpas por não terem obtido exito e seguiam seu caminho, desejando sorte. Eu fui uma espectadora silenciosa e comovida deste momento. 

Voltamos para casa. Medellín? Muito prazer em te conhecer. Obrigada por nos receber e se mostrar para nós, assim, tão cortês e amistosamente.