terça-feira, 3 de novembro de 2015

CORES, sons e SABERES do centro de MEDELLÍN, Antioquia, Colômbia



Continuamos nossa busca pelas cores, sons e saberes no centro da cidade de Medellín. Assim, caminhamos em meio ao vai e vem de pessoas apressadas, de vendedores de frutas que davam um colorido todo especial àquela parte da cidade e das buzinas frenéticas e barulhentas de carros e ônibus.

O colorido das frutas vendidas no centro da cidade

La Gorda, de Botero, em frente ao Banco de la Republica

Edf. Coltejer
Chegamos então ao nosso primeiro destino naquela tarde: um encontro com o artista colombiano Fernando Botero, em sua cidade natal, através de uma de suas obras: La Gorda. 

La Gorda, fica em frente ao edifício do Banco de la Republica e foi a primeira escultura de Botero levada a Medellín. Ela um torso feminino desnudo, com a característica larguinha do artista. Ela adorna o lugar e faz um contraponto interessante ao caos da cidade. Foi um encontro feliz.

Em frente a La Gorda está o edifício El Coltejar, em forma de uma agulha gigante, um dos edifícios mais emblemáticos de Medellín, criado pelo arquiteto Raúl Fajardo, já falecido, orgulho paisa, concluído em 1972, quatro anos após o início de sua construção. Símbolo da indústria têxtil já foi o prédio mais alto da cidade. 

Barraquinhas de frutas e roupas populares que fazem parte da cultura metro

Fachada do Palacio de La Cultura
Andar pelo centro de uma cidade com tantos elementos visuais e sonoros, para dizer o mínimo, é preciso ter olhos de ver. Há muita informação e às vezes eu me perdia nelas e me deixava absorver como em um filme em que ao mesmo tempo em que eu era parte daquela energia, eu era apenas uma espectadora, embora voraz. 

Caminhando por aquela balbúrdia, como um verdadeiro E.T., em outro ritmo, a caminho do Palacio de La Cultura, nós nos deparamos com uma passarela com murais gigantes do pintor antioqueño Pedro Nel Goméz, de um lado e de outro, contando vários momentos da história colombiana, assim ao ar livre, ao alcance de todos. 

Por todo o centro, especialmente no entorno dos metrôs há barraquinhas vendendo todo tipo de coisa: mercado popular. Este comércio faz parte da cultura metro.

E elevador antigo

A bela cúpula do palácio

O contraste da construção humana e da natureza
Vidas sendo vividas sob os trilhos do metrô

Observação

Plaza Botero desde a cúpula do Palacio de La Cultura

Na cúpula: contrastes
A fachada do Palacio de La Cultura Rafael Uribe Uribe, que já foi Palácio do Governo quando a capital de Antioquia passou a ser Medellín, é linda e seu interior sóbrio e antigo, também. Foi desenhado pelo arquiteto belga Agustin Goovaerts e levou três anos para ser concluído (entre 1925 e 1928).

Começamos nosso passeio no interior do Palacio pela cúpula, que de perto é tão bonita quanto vista de fora, de baixo. Do alto podemos ver a cidade e o contraste entre montanhas e arquitetura antiga dos prédios que ali estão. Podemos observar também as pessoas indo e vindo nas ruas abaixo, sob os trilhos do metrô e na Plaza Botero.

Estava um dia bonito e quente e os contornos das montanhas antioqueñas estavam bem nítidos.

Portas

Biblioteca

Escadas e portas

Corredores
O Palacio de la Cultura Rafael Uribe Uribe faz parte do acervo cultural e patrimonial do país e é um dos prédios mais bem conservados de Antioquia. Aqui se fomenta processos e ações culturais com objetivo de impulsionar a cultura. Desta forma, havia pessoas trabalhando em cada uma das salas que nós passamos.

Nós gastamos um bom par de horas perambulando pelos corredores do palácio, observando a arquitetura e confesso que observando também as pessoas trabalhando. Senti inveja dos que trabalham em um prédio bonito e histórico como aquele.

Rafael Uribe Uribe nasceu em 1859 e morreu assassinado em 1914. Foi advogado, jornalista, diplomático e militar. A história conta que foi, antes de tudo, um idealista. Seu nome está imortalizado no Palacio de La Cultura e seu amor por sua esposa e por sua família, nas paredes deste mesmo palácio.

Medalhões com motivos antioqueños

Exposição: Martha Luz

Projetos

Mapa de Antioquia

Exposição
A entrada para o Palacio de la Cultura é livre. Nós vimos lindas exposições de fotografias e de quadros de artistas colombianos. Vimos a exposição de projetos voltados para a cultura que estão sendo implementados, colocando sempre o elemento humano como protagonista e beneficiário destes projetos. Achei os corredores deste lugar inspiradores!

Plaza de Las Esculturas ou Plaza Botero
Palacio de La Cultura, Plaza Botero vista do Café Botero

Uma pausa para um tinto

Tinto e patacóns: divino

O colorido da Plaza de las Esculturas
Saímos do Palacio de la Cultura, que fica ao lado da Plaza Botero ou Plaza de las Esculturas e eu me senti em um parque de diversões em meio aos larguinhos e larguinhas de Botero. Como já estava tarde, resolvemos tomar um tinto no Café Botero, que fica no Museo Antioquia, bem aí na praça. Deixamos para namorar as esculturas de Botero outro dia.

A praça é muito colorida, lotada de todo tipo de gente e ritmo. Do café Botero, onde pedimos patacones (fatias de bananas da terra frita - DIVINOS!) para acompanhar o tinto, tivemos uma vista privilegiada para apreciar estas vidas cotidianas, esta peça de atores da vida real sendo encenada.

Eu fiquei com receio, em princípio da violência do lugar. Tirava a máquina discretamente e me agarrei com minha bolsa para não ser pega de surpresa, mas não tive nenhuma sensação de insegurança real e havia bastante policiamento.

Plaza de Cisneros

Plaza Cisneros com montanhas ao fundo

Plaza  Cisneros
Aproveitamos o finzinho de tarde, onde o dia já começava a se despedir e fomos até a Plaza Cisneros, também conhecido como Parque das Luzes: um bosque com 300 postes de luz dando um efeito muito bacana, principalmente porque eles têm 24 metros de altura. É um pouco como entrar em um conto de fadas, para quem tem imaginação de sobra, como eu.

Aqui eu senti que íamos ser assaltados: enquanto Léo tirava uma foto minha, com os postes formando uma passarela e as montanhas de Medellín ao fundo, dois jovens de olhos fixos em nós, vinham andando em nossa direção em passos lentos, às costas de Léo. Como eu não tiro o olho de meu entorno, observei o movimento daquelas duas pessoas que estava bem vestidas. Enquanto um começou a passar por trás dele, o outro começou a acelerar o passo em sua direção, ou da máquina.

Na mesma hora, percebendo a movimentação, fui em direção a Léo, tomei a máquina de sua mão e olhei para o cidadão que se aproximava. Ele desviou de nós, se juntou ao amigo e seguiram seu caminho. Já fui assaltada, em São Paulo, com este mesmo ballet. Pode ser que desta vez eu estivesse errada, mas seguro morreu foi de velho, velhíssimo!

Esculturas da cidade com nova roupagem

Coco com doce

Doce de coco queimado

Bela escultura em frente ao Prédio do Governo de Antioquia.
Em frente a Plaza Cisneros, do outro lado da rua, estão alguns órgãos governamentais como a prefeitura e o palácio do governo do estado, onde fica uma bela escultura cheia de detalhes. No entorno, muitos carrinhos vendendo comida e Léo e G compraram doces: ela um doce que come-se junto com um pedaço de coco para misturar os sabores, uma versão antioqueña de nosso Romeu e Julieta, símbolo do amor perfeito. Ele um doce de coco queimado cujo sabor lembrava nossa cocada.

O dia se despedindo em Medellín

Atravessando a passarela para o metro Alpujarra

A passarela 

Metro Alpujarra

Hard Rock Café
Eu gostei muito da cor do céu de Medellín ao entardecer. Ele sempre me encantou com sua tonalidade de azul. Tomamos o metrô Alpujarra com direção ao Poblado, onde havíamos deixado o carro. Passamos no Hard Rock Café porque colecionamos camisas das cidades onde passamos e assim encerramos o nosso dia.