sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Officina PROFUMO-FARMACEUTICA Santa Maria Novella e BISTECCA alla Fiorentina, Florença:

À caminho da Officina Profumo-Farmaceutica Santa Maria Novella

A fachada da Officina Profumo-Farmaceutica Santa Maria Novella com sua bela porta

Entrada para a Officina Profumo-Farmaceutica Santa Maria Novella

Nossa manhã de sexta-feira começou com a retirada do kit para a maratona de Firenze e uma passagem pelo posto de informações turísticas de Santa Maria Novella, onde Sônia nos deu ótimas dicas de como explorar Florença, entre elas uma visita a uma charmosa farmácia do século XVII. Assim, nos dirigimos para conhecer esta pequena joia que já tinha despertado a minha curiosidade.

A Officina Profumo – Farmaceutica di Santa Maria Novella (via della Scala, 16) iniciou seu funcionamento em 1612 e logo a farmácia ficou famosa em toda a Europa por vender elixires, bálsamos e essências que prometiam curar um par de doenças como a histeria.

Ela funciona em um prédio gasto por fora, pintado em um tom de bege ou laranja desmaiado dando-lhe um ar antiquado, velho mesmo, embora o prédio esteja em excelentes condições. A porta de entrada, uma mescla de curvas e retas que lhe conferem um requinte complementado com dois lustres mais secos, rústicos,  nos dá uma vaga ideia do que iremos encontrar em seu interior.

Uma das salas da Officina Profumo-Farmaceutica Santa Maria Novella

A atmosfera antiga da farmácia repleta de pessoas modernas

A decoração antiga da farmácia

Olhando a estrutura interna da farmácia/perfumaria fica muito fácil perceber o seu passado. A decoração nos leva em uma viagem no tempo e podemos imaginar uma atmosfera pretérita. Sem embargo, sua aparência atualmente é moderna. As pessoas que a frequentam são deste século. As pessoas que estão ali para atender ao público são deste século. 

Estar na Profumo-Farmaceutica nos levou ao passado, sem nos tirar do presente, pois ela ainda funciona. Esta mistura de tempos e séculos dão a esta farmácia identidade, requinte e beleza.  É um lugar rico em detalhes e aromas.

Tem cheiro de incenso, sabonetes, lavandas, aromatizadores de ambientes, águas de cheiro e muitos outros perfumes que despertam os nossos sentidos. Todos estes olores estão à venda. A Officina Profumo – Farmaceutica di Santa Maria Novella possui diversos ambientes, cada um vendendo um grupo de produtos, além de uma tea room e a Capela di San Niccolò. Cada um dos recintos mereceu o meu olhar atento me dispersando do mundo à minha volta. 

Os afrescos da Capela de San Niccolò

A Paixão de Cristo contada através de imagens

Afrescos atribuídos a Mariotto di Nardo

A pequenina Capela de San Niccolò possui bonitos e coloridos afrescos atribuídos a Mariotto di Nardo e contam a história da paixão de Cristo. Confesso que passei algum tempo na capela, que está quase nua, vestida apenas pelas pinturas que cobrem totalmente as paredes e o teto, sozinha, lendo e ouvindo as imagens ali pintadas.

Bistecca alla Fiorentina - culinária local

Restaurante Tira... baralla

Saúde 

Cometendo o pecado da gula

Bistecca alla Fiorentina

Saímos da farmácia com fome. Colada nela havia um restaurante anunciando que servia bistecca alla fiorentina que sabíamos ser um prato típico da culinária local e foi ali mesmo que nós entramos e almoçamos.

Uma garçonete jovem e sorridente nos atendeu. Como estávamos famintos, cada um pediu uma bisteca e eu me assustei com o tamanho do prato quando ele chegou à mesa. Comemos todo, mas foi tanta comida que naquele dia nós nem jantamos porque ainda teve a entrada com pães. Para acompanhar, pedimos meia garrafa de vinho tinto.

Admito que a bisteca não me encheu de amores. Para o meu paladar, que prefere comidas mais leves e saudáveis, era um prato muito gorduroso e pesado. Me apaixonei mais pela salada e pela batata que pela carne, mas valeu sim a experiência, afinal passear pelos sabores locais faz parte de minha diversão como turista.

Tira... baralla

Decoração alegre e colorida

O restaurante, chamado Tira... baralla (Via della Scala, 28), é muito colorido, com paredes amarelas, toalhas de mesa vermelhas e muitos enfeites pendurados nas paredes. Típica cantina italiana de meu imaginário. Sem pressa alguma, degustamos os sabores florentinos ali dispostos, enquanto alternávamos momentos de silêncio apreciativo com planejamento para o resto da tarde daquela sexta-feira.

Resolvemos seguir mais um dos conselhos de Sônia e após o almoço, precisando mesmo de alguma atividade ao ar livre depois de termos, sem culpa alguma, cometido o pecado da gula, fomos até a Piazzale Michelangelo para ver o por do sol. Esta é uma história para ser contada outro dia.