sábado, 17 de setembro de 2016

EDAM, Holanda:


Eu me apaixonei pela Holanda através de Edam. Foi a primeira cidade que visitamos no país e foi amor à primeira vista. Era uma quinta-feira gelada de outono, em 2013, e lembro-me de ter pensando como uma cidade podia ser bonita de maneira tão óbvia e indiscutível. Não consegui enxergar defeitos nas curvas de Edam, só harmonia e perfeição.

Eu descobriria mais tarde, viajando pelo país que a beleza não era exclusividade da pequena Edam.

Canais de Edam

Edam e toda sua beleza

Edam - charme e encanto 

Edam - como deve ser morar em uma dessas casinhas?

Edam - para todo lado que olhava via beleza

Edam
Quando desembarcamos nessa cidade fundada no século XII, as ruas estavam quase desertas. Caminhamos sem rumo, enfrentando o vento frio. Assim como em Amsterdam, os canais adornam a cidade, cortando-a, transformando a paisagem em um misto de urbano com rural.

As ruas estavam cheias de folhas que caíam das árvores, iniciando a renovação, típica dessa estação do ano. As casas pareciam de brinquedo, com lindas portas e janelas baixas de vidro que me permitiram ter vislumbres de seu interior. Só para que eu me apaixonasse ainda mais.

Edam foi toda nossa por muitas horas, onde vimos poucos ou quase nenhum transeunte.

Edam - Food Lovers

Edam - almoço ao ar livre: isso não tem preço

Edam - almoçando com essa linda vista

Edam - Léo e seu almoço

Meu almoço - lanche
Fomos almoçar, ou melhor, fazer um lanche. Encontramos a Food Lovers, uma delicatessen onde eu comi uma espécie de empanada (1,95 euros) e tomei um cappuccino (1,00 euro), sentada em um banco, na rua, em frente ao canal, me sentindo nas nuvens de tão feliz.

Léo perguntou se era permitido beber na rua e a senhora que nos atendeu disse que sim, então ele comprou uma Heineken latão para acompanhar seu sanduíche. 

Edam - Kaaswaag

Edam - Kaaswaag
Após o almoço seguimos para o Kaaswaag – a casa de pesagem de queijos (Jan Nieuwenhuizenplein 5, 1135), um edifício de fins do século XVIII, com uma exposição permanente sobre o mais importante produto da região: o queijo; funciona de Abril a Setembro das 10:00 às 17:00, com entrada franca.

Durante a Idade Média o mercado de queijos – Kaasmarkt - era o coração de Edam, local onde os produtores de queijos levavam seus produtos para que fossem pesados e vendidos.

Atualmente, durante os meses de Julho e Agosto, das 10:30 às 12:30, às quartas-feiras, há uma simulação de como as coisas eram feitas nessa época e então é possível não só provar como também comprar os queijos produzidos na região.

O mercado foi fechado em 1922, quando passou a ser produzido nas fábricas.

Como estávamos em outubro só pudemos ver a fachada da casa de peso, que é bonita.

Edam Museum

Edam Museum

Edam Museum - a adega flutuante
Prosseguimos até o Edam Museum (Damplein 8, 1135) que está situado em dois edifícios, um em cada lado do mesmo canal, sendo este o museu mais antigo da Holanda do Norte.

Visitamos primeiro o mais estreito deles, uma casa construída no século XVI que pertencia a um comerciante. Ali dentro está representada a vida das pessoas daquela época e considero esta uma visita indispensável para quem adora, como eu, conhecer estilos de viver.

No andar inferior está a sala de estar e a cozinha com muitos artefatos típicos. No andar de cima, cujo acesso é possível através de uma estreita escada, está o quarto, com uma minúscula cama que nos mostra como os holandeses antigos possuíam baixa estatura. Além disso, eles costumavam dormir meio sentados, por medo de morrer durante o sono.

A casa está toda montada como se de fato pessoas ainda vivessem ali, mas talvez a parte mais interessante dela seja a adega flutuante, um recipiente de alvenaria impermeável flutuando sobre as águas subterrâneas que se move para cima e para baixo.

Ali eram armazenados cerveja, vinho, queijos, frutas e legumes. 

Edam Museum fachada

Edam Museum - janelas para o comércio e portas

Edam Museum entre belas casas

Edam Museum e sua linda fachada
Por dentro sem dúvida a casa é muito interessante, mas sua fachada não fica atrás em termos de atrativos. Possui um balcão onde mercadorias eram comercializadas e uma porta de duas partes. Foi a primeira casa de pedra de um comerciante na cidade.

As casas no país são estreitas e compridas, pois os impostos eram cobrados pela largura. Podemos ver, pelo lado de fora as chaminés, onde muitas vezes eles penduravam a carne para defumar.

Quem nos atendeu nesse museu, foi uma senhorinha muito simpática que não falava uma única palavra em inglês, mas a mímica foi suficiente. 

Edam Museum, o anexo

Edam Museum, o anexo
Depois nós fomos para a outra parte do museu. Quando lá chegamos, a senhorinha estava fechando. Antes do horário. Ela nos disse que como não havia ninguém e estava frio, havia resolvido ir para casa alguns minutos mais cedo, mas abriu tudo novamente e disse que podíamos ficar o tempo que quiséssemos.  

O anexo do museu não é tão interessante. Aqui funcionava a antiga Câmara Municipal constituída em 1737. A fachada foge do padrão estreito da maioria das casas holandesas. É menos charmosa, mas igualmente bonita.

No interior encontramos duas salas grandes com quadros de pessoas ilustres da cidade e mesas. Há exposições temporárias e uma loja ótima com artigos diversos. Comprei um adesivo para colocar em minha bagagem de mão por 0,70 cents de euro, com o brasão de Edam. 

Edam Museum ao fundo
Um único ingresso de 4 euros dá direito a visitar o museu e o anexo, mas porque chegamos à cidade de ônibus, pagamos apenas 2 euros cada.

Funciona de Terça a Sábado das 10:00 às 16:30 e aos Domingos das 13:00 às 16:30, de Abril a Outubro.

Edam: canal à esquerda e a torre da igreja no fim da rua

Edam - Grote Kerk

Edam - nos despedindo dessa linda e fofa cidade

Edam

Edam

Edam - casas que parecem de brinquedo
Passamos ainda em frente à Grote Kerk, a igreja, mas ela também estava fechada. Já começava a escurecer, então demos mais uma volta pela cidade e voltamos para o mesmo ponto de ônibus onde chegamos para pegar o busão para Voledam.