quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Igreja de São MIGUEL, ALTHEIMER Eck e AUGUSTINER-BRAU-Ausschank: o que VER em MUNIQUE, Alemanha:

Igreja de São Miguel, Munique Alemanha
Igreja de São Miguel
A Igreja de São Miguel (Michaelskirche), situada na Neuhauser Straße, tem uma fachada estranha, em estilo renascentista, que às vezes reflete beleza e outras exala feiura.

Ela possui camadas brancas, lembrando uma árvore de Natal, com pequenos detalhes em vermelho e dourado. Janelas de tamanhos diversos, esculturas e duas portas em ferro, com seu peso contrastando estranhamente com a leveza de seu entorno, compõem a fachada dessa igreja que foi construída em 1585 e sua antiguidade merece respeito. 

Igreja de São Miguel Munique Alemanha
São Miguel lutando contra a maldade da humanidade

Igreja de São Miguel, o que ver em Munique
Igreja de São Miguel - maçanetas em forma de anjo
Centro espiritual da Contrarreforma – reação da igreja Católica à Reforma iniciada por Lutero – encontramos uma estátua do arcanjo Miguel, a quem a igreja é ofertada, lutando contra o mal da humanidade e defendendo a fé, entre as duas entradas principais

Na fachada podemos ver ainda estátuas do Duque Wilhem e antigos governantes da dinastia Wittelsbach da Baviera, que prestaram serviços relevantes ao bem-estar das pessoas no país. As maçanetas da porta são dois anjos em postura de oração: uma novidade para mim.

A igreja original, a que foi construída nesse distante século era menor, mais acanhada que a atual, que à primeira vista quando nos colocamos diante dela, também parece pequena, mas longe de qualquer tipo de timidez. 

Igreja de São Miguel O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior

Igreja de São Miguel O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior: beleza e identidade

Igreja de São Miguel O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior: predominância do branco

Igreja de São Miguel - O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior visto desde o altar

Igreja de São Miguel O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior

Igreja de São Miguel - O que ver em Munique Alemanha
Igreja de São Miguel - interior destruído na Segunda Guerra Mundial
No entanto, ao entramos em São Miguel, é como se um mundo inteiro se abrisse para nós: ela é de fato soberba. E grande, o que foi uma grande surpresa! Teto, paredes e pilares, trabalhados. O branco também domina seu interior, com pitadas de cores e brilho aqui e acolá no altar e nos adornos, fazendo desta, uma igreja elegante e refinada.
Luzes incidiam em seu interior, vindas de cima, de vários ângulos, brincando, tocando e pululando sobre os objetos ali dispostos e pessoas que circulavam por todo lado. Os tetos e janelas abobadados são extraordinários! Uma curiosidade: não há pilares sustentando a igreja. 
Ela foi parcialmente destruída por bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial.
Nós chegamos momentos antes de a missa terminar e São Miguel estava lotada de pessoas assistindo e rezando; uma coisa curiosa, pois cada vez mais raramente encontro igrejas que visito por aí, cheias de assistentes durante a missa.

Ela abre diariamente. 

O que ver em Munique Alemanha
Altheimer Eck e o prédio do Münchener Post - História de Munique
O que ver em Munique Alemanha
Altheimer Eck - com o prédio do Münchener Post ao fundo
Deixando a Igreja de São Miguel para trás, fomos em direção à Altheimer Eck. Essa charmosa e sinuosa rua foi palco de muitos acontecimentos violentos durante os anos que precederam a subida do NSDAP (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães) ao poder na Alemanha. 

Aqui, no antigo número 19, hoje 13, funcionava o Münchener Post, um dos mais ferrenhos adversários de Adolf Hitler, durante 13 anos, entre 1920 e 1933, quando então foi completamente destruído pela S.A. - Tropas de Assalto. Hitler o apelidou de cozinha venenosa, utilizando-se de um jargão jornalístico que dizia que as notícias eram cozidas.

O Führer, que começava a despontar no cenário nacional, fazendo discursos e comícios em cervejarias, mudando a cara do partido, odiava o jornal e afirmava que o Münchener só publicava inverdades, e daí vem o termo “venenosa”.
Foram muitos os embates entre Hitler e o jornal: jurídicos e físicos. Durante a Segunda Guerra Mundial a rua foi destruída, mas o belo edifício art nouveau de cor amarelada suave sobreviveu, talvez sustentado pela energia corajosa do antigo jornal bávaro.

Existe um livro, publicado por uma jornalista brasileira chamada Silvia Bittencourt, intitulado justamente Cozinha Venenosa, que conta essa história. É uma leitura sensacional! Eu diria até que essencial para quem viaja à Munique. 

Cervejaria e restaurante Augustiner-Bräu-Ausschank
Onde comer em Munique
Cervejaria e restaurante Augustiner-Bräu-Ausschank
Logo depois dessa visita, fomos almoçar no Augustiner-Bräu (Neuhauser Str. 27), a cervejaria mais antiga de Munique ainda em funcionamento, fundada em 1328, por monges agostinianos. A bela casa onde ela funciona foi erguida no século XIX. 

Sentamos em uma mesa ao ar livre para aproveitar o vai e vem de pessoas e a temperatura agradável. O garçom nos ajudou com informações a respeito de alguns pratos, mas não sorriu.

Havia english menu e o interior do lugar era bem típico com muita madeira na decoração e luzes indiretas deixando o ambiente agradavelmente na penumbra.

Eu escolhi salsichas de porco acompanhadas de sauerkraut que é o delicioso chucrute (8,50 euros). Léo comeu um tipo de carne de porco com spätzle, uma massa feita de farinha de trigo e ovos, cuja textura e sabor não me agradaram e repolho roxo que é levemente adocicado (12,95 euros).

Foi um almoço preguiçoso, lento e gostoso. 


O que fazer em Munique
Desvendando Munique